Seja bem-vindo
Juazeiro,18/06/2024

  • A +
  • A -
Publicidade

Delegado “segue dinheiro” de empresa registrada em nome de laranja e vê Corinthians como potencial vítima


Delegado “segue dinheiro” de empresa registrada em nome de laranja e vê Corinthians como potencial vítima
Publicidade

Tiago Fernando Correia, Delegacia de Crimes Financeiros do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), foi entrevistado no programa Mesa Redonda da TV Gazeta, onde atualizou o andamento da investigação envolvendo Corinthians, VaideBet e a empresa intermediária do contrato de patrocínio principal. Ele enfatizou que, neste momento, a ênfase da investigação da Polícia Civil é identificar os responsáveis por movimentar recursos para a Neoway Soluções Integradas, uma empresa considerada fictícia, e quem está se beneficiando dessas transações financeiras suspeitas. O Corinthians, por enquanto, é considerado uma "potencial vítima".



“Nesse momento da nossa investigação, em estágio inicial, ao que tudo indica o Corinthians é uma potencial vítima. É importante frisar, até de uma forma de mostrar transparência, que a investigação está direcionada a apurar a eventual constituição ilícita da empresa Neoway. Neste momento, não temos nenhum dirigente do Corinthians, presidente, formalmente investigado. Tentamos identificar de maneira cabal quem está por trás da empresa Neoway. E nós, que combatemos a lavagem de dinheiro, costumamos nessas investigações rastrear o dinheiro. O dinheiro deixa rastros. Todas notícias divulgadas, que o Corinthians teria enviado duas parcelas de R$ 700 mil para a empresa Rede Social Media Design Ltda e essa empresa teria enviado R$ 900 mil em duas parcelas à empresa Neoway, tudo isso será investigado e principalmente rastreado. Nossa intenção agora é seguir o dinheiro. Seguindo o dinheiro, vamos descobrir fatalmente quem está por trás da empresa Neoway”, comentou Tiago.


O delegado declarou que foi concluído que, de fato, a Neoway Soluções Integradas é uma empresa de fachada e que Edna Oliveria dos Santos, residente em Peruíbe, foi usada como "laranja" no negócio. Tiago explicou como a Polícia trabalhou previamente para obter acesso a essas informações.


“Desde que as notícias foram veiculadas na mídia acerca da suposta irregularidade na negociação do contrato do Corinthians com a VaideBet, a Polícia Civil imediatamente, através do DPPC e por meio da minha delegacia de combate à lavagem de dinheiro e corrupção, estudaram uma investigação preliminar. Justamente porque havia notícias de que a empresa Neoway seria de fachada, fictícia, em nome de uma laranja. Nossa apuração inicial mostrou que de fato a Neoway é fictícia, de fachada. Entrei em contato com a senhora Edna, a suposta proprietária dessa empresa, e ela confirmou que nunca autorizou, nunca assinou ou constituiu nenhuma empresa. A senhora Edna é humilde, de poucos recursos, ela está muito abalada com o que vem acontecendo. A partir daí, determinamos que nosso setor de inteligência nos direcionasse aos locais apontados, aos cadastros da junta comercial relacionados à empresa Neoway. Semana passada, os policiais estiveram na Avenida Paulista, suposta sede da Neoway, e na suposta residência da Edina, na Vila Olímpia. Não detectamos qualquer presença da empresa ou da senhora Edna. Isso só confirmou nossas suspeitas oficiais de que a Neoway é uma empresa fictícia, que utiliza uma laranja. Ao que tudo indica, é uma empresa utilizada para lavagem de dinheiro e capitais. Dentro da nossa investigação preliminar, descobrimos através de um BO que a senhora Edna registrou que há uma segunda empresa registrada no nome dela. São duas empresas registradas de forma irregular, ilícita. E suspeitamos que há através disso essa lavagem de dinheiro. A investigação avança para detectar outros pontos importantes para o desfecho dos fatos de forma coerente”, complementou o delegado.

Apesar de considerar o Corinthians como uma possível vítima em sua abordagem inicial, a Polícia fez contato com o clube buscando esclarecimentos sobre a intermediação realizada pela empresa Rede Social Media Design Ltda. Tiago relatou as demandas feitas à agremiação, solicitando sua colaboração durante o processo de investigação dos acontecimentos.


“Na última semana, ainda no contexto da nossa investigação preliminar, da verificação da procedência de todas as informações, nós solicitamos informações ao clube. Consta aí o pedido para o Corinthians esclarecer se há algum acordo, contrato com a empresa Rede Social Media Design Ltda. Os veículos noticiaram que nessa intermediação do Corinthians com a VaideBet havia participado uma empresa com esse nome.. Essa empresa, pelo que consta, presta serviços de marketing. Queremos saber se há algum acordo do Corinthians com essa empresa para a prestação de serviço de marketing. Depois, pedimos informações acerca do próprio contrato de intermediação. Quando firmou-se contrato com a VaideBet, houve formalmente a participação da empresa Rede Social Media Design Ltda? Nós solicitamos ao Corinthians esses esclarecimentos para entender também se houve dentro do próprio clube as práticas de compliance em relação à assinatura de contrato com a VaideBet e com a Rede Social Media Design Ltda. Como já conseguimos constatar que a empresa Neoway é de fachada, precisamos entender qual a relação da Rede Social Media Design Ltda com a empresa Neoway. Uma transação de R$ 900 mil de uma empresa a outra, é óbvio que deve ter acontecido algum acordo, contrato. Precisamos entender o tipo de negociação entre as empresas. Só deixando claro, o Corinthians neste momento da investigação, embrionário, é considerado uma potencial vítima”, disse.


Por fim, o delegado confirmou que o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado de São Paulo) está auxiliando a Polícia Civil nas investigações.


“Nós da terceira delegacia temos uma proximidade, relação muito grande com o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado de São Paulo. Nós já trabalhamos juntos em outros casos. Na sexta-feira, quando o inquérito foi instaurado, pessoal da Gaeco entrou em contato comigo e diante da sensibilidade que o caso envolve, os promotores da Gaeco vão atuar em conjunto com a Polícia Civil, para desvendar esse esquema criminoso que estamos apurando”, finalizou.



Relembre o caso


No dia 20 de maio, o jornalista Juca Kfouri divulgou uma notícia relacionada a um esquema de laranja ligado ao intermediário responsável pela assinatura do contrato entre VaideBet e Corinthians.

No dia 18 de março de 2024, a empresa Rede Social Media Design Ltda recebeu um pagamento de 700 mil reais do Corinthians, resultando em um saldo positivo de R$ 697.270,73 em sua conta bancária. Posteriormente, a mesma quantia foi novamente depositada na conta alguns dias depois.

Uma semana mais tarde, a Rede Social Media Design Ltda transferiu 580 mil reais para a Neoway Soluções Integradas em Serviços Ltda. No dia seguinte, outra transferência de 462 mil reais foi feita da Rede Social para a Neoway.

A Rede Social foi a intermediária no acordo entre VaideBet e Corinthians. A Neoway, cuja sócia principal é Edna Oliveria dos Santos, uma residente de Peruíbe, tem seu endereço registrado na Avenida Paulista, 171, 4º andar. Entretanto, de acordo com informações da recepcionista, ninguém ligado à Neoway já esteve no local.

O proprietário da Rede Social é Alex Fernando André, conhecido como Alex Cassundé, que foi envolvido na campanha eleitoral de Augusto Melo para a presidência do clube em 2023. Cassundé é próximo do diretor de marketing do Timão, Sérgio Moura, que está atualmente afastado de suas funções.

As transações de 700 mil reais foram realizadas sem o conhecimento do diretor financeiro Rozallah Santoro, que estava ausente do Parque São Jorge na época devido a uma viagem. Sem a presença de Santoro, o diretor administrativo Marcelo Mariano autorizou os pagamentos sob a justificativa de que a Rede Social já havia emitido notas fiscais e pago os impostos.

Edna Oliveira dos Santos, sócia majoritária da Neoway, vive em uma casa modesta em Peruíbe e afirma não ter conhecimento da empresa da qual seria proprietária. Além disso, ela diz não conhecer Cassundé.


Rescisão da VaideBet


A casa de aposta VaideBet informou na última sexta-feira que optou pela rescisão contratual com o Corinthians. O clube, neste momento, se movimenta para garimpar um novo patrocínio máster.


“A VaideBet informa que exerceu nesta sexta-feira (7) a rescisão do contrato de patrocínio com o Sport Club Corinthians Paulista. Desde o início de abril a marca acompanha e solicita esclarecimentos sobre as suspeitas levantadas, tendo já realizado reuniões, comunicações formais e notificação extrajudicial. Diante das explicações apresentadas sem nenhuma resolutividade, a VaideBet lamentavelmente se vê obrigada a tomar tal atitude.


A marca avalia que não se pode manter a parceria enquanto pairar sobre o acordo qualquer suspeita em relação a condutas que fujam à conformidade com a ética e os preceitos legais. Só a dúvida, no crivo ético da marca, já é suficiente para determinar a rescisão – que foi exercida pela VaideBet suscitando cláusulas do contrato que protegem direitos da marca nessa decisão.


A VaideBet lamenta pelo fim de uma parceria que deveria ter durado no mínimo três anos e agradece, pelo carinho e pelo respeito, à imensa e apaixonada torcida do Corinthians, que diariamente sustenta a história e os valores da instituição”.

Publicidade



COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.